Professor de História lança livro 'O Socialismo de Oswald de Andrade'

Professor de História lança livro 'O Socialismo de Oswald de Andrade'

O professor-doutor Márcio Luiz Carreri, docente do colegiado de História, do Centro de Ciências Humanas e da Educação (CCHE), da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Campus de Jacarezinho, lançará, na sexta-feira (07/04), o livro “O socialismo de Oswald de Andrade: cultura, política e tensões na modernidade de São Paulo na década de 1930”. A solenidade acontecerá no salão nobre dos Centros de Ciências Humanas e da Educação e de Letras, Comunicação e Artes (CCHE/CLCA).

A obra, que é uma adaptação da tese de doutorado em História do professor, apresenta um estudo sobre o pensamento socialista de Oswald de Andrade, destacando a transição vivida pelo escritor a partir da década de 1930, com a crise do capitalismo e sua adesão ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Como marco dessa inflexão, Oswald de Andrade articulou uma rede de intelectuais e militantes para a edição do jornal “O Homem do Povo”, também editado por Patrícia Galvão, a Pagu, no ambiente cultural e político de São Paulo.

A proposta do livro é analisar o pensamento socialista de Oswald de Andrade e abarcar as tensões e os conflitos no campo intelectual do modernismo, reapresentando o socialista antropofágico entre o modernismo, a atuação no PCB e a edição do periódico marxista. A obra parte dos textos de Antônio Gramsci e Raymond Williams, e traz reflexões sobre a produção literária, jornalística e a militância partidária do escritor como aspectos fundamentais para se compreender as relações que ele mantinha com intelectuais e políticos, e principalmente, apresentar a sua forma de pensar o socialismo e a relação da cultura com a política.

De acordo com a pesquisa de Carreri, a perspectiva política de Oswald de Andrade foi pouco considerada pela historiografia. O pensamento de esquerda, na academia e da política brasileira não ofereceu muito prestígio ao escritor. Nesse aspecto, a sua filosofia política foi construída sob as teias do humor e da provocação, o fio condutor da expressão de seu socialismo. O professor acredita que as ações e posicionamentos de Oswald foram manifestações emergentes de resistência às práticas e às ideias dominantes da ordem social existentes em organizações e partidos. “O pensamento de Oswald, portanto, é vanguardista, datado, mas também contemporâneo, sendo a chave interpretativa do 'marxismo antropofágico' uma proposta para a compreensão do tempo que vivemos”, declara.

No prefácio da obra, a professora-doutora Kátia Rodrigues Paranhos, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), observa que Oswald de Andrade causava reações de desaprovação e um incômodo silêncio a todos, tanto no pensamento da direita quanto no pensamento da esquerda. A professora declara ainda que o livro de Carreri “elege outros modos de entender a trajetória de um escritor dentro de uma tradição cultural, e ainda tentar compreender como se deu o silenciamento de práticas não coincidentes ou não aceitáveis por essa tradição”, disse ela.

Para a professora-doutora Estefania Knotz Canguçu Fraga, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), a investigação privilegiada por Carreri não se ocupa apenas das questões de ordem autoral, como por exemplo, os modos de escrever e pensar um autor, mas “procura observar o seu modo de desenvolver novos estilos de escrita que, mesmo não sendo devidamente reconhecido no período fora do seu círculo de sociabilidade intelectual, encontra ressonância em tempos mais recentes, gerando práticas culturais como o teatro engajado, no Tropicalismo e no Cinema Novo”, escreveu a professora.

O livro “O socialismo de Oswald de Andrade: cultura, política e tensões na modernidade de São Paulo na década de 1930”, pode ser adquirido pelo site da Editora CRV (https://goo.gl/z0vhFh).

Visto 504 vezes Última modificação: Segunda, 10 Abril 2017 18:10