Reitoria da UENP divulga cotas para núcleos do norte do Paraná

Segunda, 04 Setembro 2017 16:05 por Assessoria de Comunicação Social

A Reitoria da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) realizou reunião com os Núcleos Regio-nais de Educação (NRE) de Jacarezinho, Wenceslau Braz e Cornélio Procópio, nos dias 28 e 29 de agosto, para divulgação do sistema de cotas sociais e sociorraciais para ingresso nos cursos de graduação da Insti-tuição. As reuniões, que tiveram o intuito de apresentar os processos seletivos da UENP com ênfase nas cotas, foram conduzidas pela pró-reitora de Graduação, Ana Paula Belomo Castanho Brochado; e pelo diretor de Acompanhamento Acadêmico, Raphael Gonçalves de Oliveira. Já no dia 22 de agosto, com a presença do vice-reitor Fabiano Gonçalves Costa, a divulgação foi feita para o Núcleo de Ibaiti.

“Atingimos nosso objetivo que era levar aos chefes e professores dos Núcleos da nossa região a informa-ção sobre a implantação da política de cotas na UENP na perspectiva de encontrar nos docentes possíveis multiplicadores dessa informação”, disse a pró-reitora Ana Paula Belomo Castanho Brochado. Durantes as reuniões, foram exibidos o vídeo institucional da Universidade e o vídeo das Cotas produzido para divul-gação das ações na UENP, além de ser apresentado o site do Vestibular 2018 e os documentos referentes ao processo seletivo. “Os Núcleos se comprometeram a encaminhar os materiais disponibilizados pela UENP (panfletos, folder e cartazes sobre o vestibular e as cotas) para todas as escolas, o que possibilitará atingir os alunos e alunas das escolas públicas da nossa região”, acentuou a pró-reitora.

A partir deste ano, a UENP destinará, nos processos seletivos Vestibular e Sisu, 40% das vagas para alunos cotistas, sendo 20% delas para candidatos de escolas públicas e outros 20% para autodeclarados negros e também oriundos de escola pública. A professora Neli Couto Ribeiro Saliba Costa, chefe do Núcleo de Wenceslau Braz, pondera sobre a realidade econômica dos estudantes da rede pública. “Mais de 80% dos nossos alunos realmente não têm condições nenhuma de custear uma faculdade, uma universidade, uma graduação, e a política de cotas da UENP vem ao encontro das necessidades deles”, acentua. “A UENP está de parabéns por ter aderido à política de cotas. Com isso, nós temos de nos unir para a divulga-ção dessa ação, porque nossos alunos às vezes nem tentam o processo seletivo para um curso que so-nham por não saber dessa possibilidade”, finaliza.

Para a chefe do Núcleo de Jacarezinho, Magda Cristina Souza Nogueira, as cotas possibilitarão uma concorrência justa entre os alunos no vestibular. “Com as cotas, os alunos podem concorrer de igual para igual em todos os cursos da instituição”, acentua. A professora fala sobre a importância do trabalho conjunto para a divulgação das cotas. “É muito importante a divulgação entre os professores, para que tudo isso chegue aos nossos alunos, para que eles possam se organizar e aproveitar esse direito para cursar uma Universidade pública. Isso é uma grande conquista”, disse Magda. Na reunião com o Núcleo de Jacarezinho, participaram todos os diretores das escolas

O professor Cristiano José da Silva pontua que somente no Colégio Rui Barbosa de Jacarezinho, do qual é diretor, cerca de 400 jovens poderão concorrer pelas cotas já no vestibular deste ano. “Em torno de terceiros anos e os quartos integrados, que são as séries finais dessa modalidade, nós temos aproximadamente 600 alunos. Eu acredito que desse número, 400 atendam as condições para ingressar na Universidade pela política de cotas”, disse o professor. Cristiano destaca ainda que “no Rui Barbosa, o grande percentual de alunos são afrodescendentes, em torno de 70% mais ou menos, e pelo menos 90% de todos os nossos alunos vivem em condições de falta de recurso para financiar uma faculdade”, acentua.

Já para o diretor do Colégio Estadual José Pavan, de Jacarezinho, Adalberto Aparecido Marques, as ações afirmativas são necessárias para uma sociedade mais justa e mais igualitária. “O colégio no qual eu trabalho está na periferia, afastada do centro da cidade. E é um Colégio em que os alunos são bastante carentes, e necessitam muito de uma política dessa natureza para alcançar seus objetivos”, constata.

Última modificação: Segunda, 04 Setembro 2017 16:10